As obras literárias de W.W. da Matta e Silva

primeiro livro de Matta e Silva, considerado a bíblia da Umbanda.

primeiro livro de Matta e Silva, considerado a bíblia da Umbanda.

As obras literárias de W.W. da Matta e Silva são fruto de pesquisa séria de uma imensa bibliografia de diversas tradições do oriente e do ocidente que o autor não se furta a mostrar em seus livros. A esse conhecimento metódico somam-se as revelações do astral superior, trazidas principalmente pelo Pai Guiné que era o preto-velho que assistia mais diretamente o mestre Yapacani. Embora sua prática espiritual tenha sido orientada diretamente pelo astral no início de sua caminhada, com o tempo pai Matta se dedicou às pesquisas “in loco” nos vários terreiros de Umbanda e dos Cultos Afro-Brasileiros de sua época, falando sempre com conhecimento vivido e experienciado.

É importante salientar que grande parte da bibliografia estudada por ele não estava escrita em português, mas sim em francês, espanhol e inglês. O acesso a literatura dependia de bibliotecas e de um círculo de amigos que pai Matta cultivou ao longo dos anos. Esse grande médium não possuía bens materiais e mesmo em meio às suas dificuldades financeiras, acabou por bancar de seu próprio bolso a impressão de alguns de seus livros. Não foi uma vida fácil a do “velho” Matta! Ele teve que arar um dos campos mais agrestes para plantar a semente da Sabedoria e superou imensos obstáculos para levar sua tarefa até o fim.

Ao estudarmos as obras de Matta e Silva, podemos verificar ao menos quatro características peculiares:

1) Há um aspecto histórico e mítico (astral e físico) do movimento umbandista;

2) Um aspecto de alerta, sempre procurando escoimar o joio do trigo, avisando à coletividade umbandista das armadilhas do caminho, o que compreende também aspectos da doutrina umbandista. Este aspecto está intimamente relacionado com a vivência dentro do terreiro;

3) Um aspecto magístico-prático;

4) Um aspecto místico, metafísico e filosófico.

No primeiro aspecto, que denominamos histórico e mítico, o autor faz uma conexão com a tradição de vários povos antigos, indicando a passagem pela terra de várias raças civilizatórias: a raça pré-Adâmica, a raça Adâmica, a raça Lemuriana, a raça Atlantiana e a atual raça Ariana. Desvela a origem real, cientifica e cabalística, através da Coroa do Verbo, da palavra UM-BAN-DA  (AUM – BAN – DA), ou o Conjunto das Leis de Deus, dando a Umbanda um significado universal, muito além do solo brasileiro. Todavia, não se esquece de demonstrar o ressurgimento da Umbanda no Brasil, citando as várias manifestações do caboclo Curuguçú por dentro dos cultos Afro-Brasileiros, até o resgate do nome Umbanda, pelo caboclo das 7 Encruzilhadas através do médium Zélio Fernandino de Morais.

No segundo aspecto, Matta e Silva alerta quanto aos vários perigos existentes àquele que está dentro do movimento umbandista. Dentre estes perigos, cita o perigo da queda do médium, pelo sexo, pelo dinheiro e pela vaidade. Separa o joio do trigo, mostrando o que é realmente do movimento umbandista e o que foi associado a ele visando fins comerciais. A expectativa de mestre Yapacani era proteger aqueles que estavam iniciando no caminho, para que sua mediunidade não ficasse viciada pelas correntes do animismo que já imperava na maior parte dos terreiros.

Na parte doutrinária, desvela as 7 linhas de Umbanda (ou os 7 Orixás) adotado pela Umbanda Esotérica, as formas de apresentação das entidades genuinamente umbandistas, a mediunidade de incorporação na sua fase semi-inconsciente e inconsciente, bem como a modalidade mediúnica tida como irradiação intuitiva, entre outras.

Na parte ritualística, explica certas posições ritualísticas, fala sobre o batismo na lei de Umbanda, a toalha de batismo e confirmações, os amacys.  Ainda neste aspecto, ensina a fazer o levantamento do Orixá Ancestral de cada pessoa, relacionando-o com os signos do zodíaco, com as linhas de força que estavam presentes no nascimento do novo indivíduo, dando uma certa lógica e uma padronização para um levantamento que até então era feito de forma aleatória. Adentra em aspectos da quiromancia e quirologia, indicando certos sinais nas mãos, afim de se fazer o levantamento que se relaciona ao karma, às proteções atuantes, faculdades mediúnicas etc.

No terceiro aspecto, chamado de magístico-prático,  e que outros setores chamam de via operativa, o autor aborda temas como a magia talismânica, a guia cabalística, a lei de pemba, as oferendas, as defumações, os banhos de ervas, os banhos com óleo essencial, rituais com fogo, formas de defesa astral de um ambiente, o que são os elementares e os elementais, os sítios da sagrados da natureza, o conhecimento sobre o período para se realizar determinada ação magística, as fases da lua para determinadas operações e muito mais. Apesar de não falar passo a passo cada ritual, pai Matta abre propositalmente certos detalhes e pontos-chaves para que os verdadeiros iniciados possam penetrar nos véus do mistério. Diferente de outras escolas, pai Matta não vela os ensinamentos com desvios feitos para afastar o profano.

No quarto aspecto,  que chamamos de místico, metafísico e filosófico, diretamente ligados  ao que outros setores chamam de via interior, Matta e Silva aborda questões sutilíssimas, que levam o homem ao autoconhecimento, tais como: o espírito, os corpos ou veículos de expressão do espírito, a nossa origem, o Reino Virginal (onde não há tempo e espaço, mas vigora o adimensional e atemporal), o Reino Natural (onde há a energia-matéria, espaço-tempo), a hierarquia Crística e os ensinamentos de Cristo.

Aprofunda-se na questão ética, proponto o “amai-vos uns aos outros”, a caridade; a relação das formas de apresentação das entidades com a PUREZA, a SIMPLICIDADE e a HUMILDADE. Discute os atributos dos Orixás como chaves do desenvolvimento anímico em “Umbanda de Todos Nós”.

Evidentemente, a leitura dos livros é o primeiro passo. Para entrar-se na via interior é preciso meditar sobre o que foi lido, sentir o que foi lido e aplicar no dia-a-dia. A partir da prática, o astral vai se abrindo e revelando os significados ocultos para o estudante e praticante aplicado.

Enquanto o primeiro aspecto está mais voltado aos pesquisadores, aos leigos, que possuem pouco contato com a Umbanda, ou que estejam iniciando os primeiros contatos, os outros aspectos interessam mais àqueles que possuem um maior contato com esta corrente filosófica e religiosa.

No segundo aspecto, principalmente no que se refere à doutrina, importa muito àqueles que fazem parte da corrente mediúnica de um centro ou terreiro, lembrando que a experiência mediúnica, os ritos de batismo e confirmação são experiências afins a cada pessoa e é algo intransferível.

O terceiro e o quarto aspectos geralmente encontram-se imbricados. Quanto mais uma pessoa avança na via interior, maiores e melhores resultados adquire pela via operativa e mais vezes se sabe quando e como agir, ou quando simplesmente não agir. Muitas vezes, consegue-se ótimos resultados na via operativa através de prática, de treino, mas se ela não for direcionada para um crescimento interior, para a busca da Virtude, da Verdade, a via operativa pode degenerar-se para lados obscuros e a pessoa acaba por aprisionar-se mais ainda nas ilusões da forma. Fique claro que o mestre Matta e Silva sempre alertou dos perigos de oferendas com elementos “pesados” regados a sangue e marafo, posicionando-se sempre contra este tipo de oferendas.

W.W. da Matta e Silva classificou seus livros em 7 graus de dificuldades:

1°.Grau – Mistérios e Práticas da Lei de Umbanda;

2°Grau – Lições de Umbanda e Quimbanda na palavra de um Preto-Velho;

3°Grau – Segredos da Magia de Umbanda e Quimbanda;

4°Grau – Umbanda e o Poder da Mediunidade;

5° e 6°.Graus – Umbanda de Todos Nós;

7°.Grau – Umbanda: Sua Eterna Doutrina e Doutrina Secreta da Umbanda.

Os livros Umbanda do Brasil e Macumbas e Candomblés na Umbanda não se encontram nesta classificação. Nele pai Matta coloca uma advertência logo no início dizendo que ali pretende apenas expor aquilo que observou nos cultos afro-brasileiros, não que recomende essas práticas.

Segundo os aspectos que expusemos, embora torne-se difícil de separá-los nos livros, podemos indicar uma predominância de um ou mais aspectos em determinado livro:

Mistérios e Prática da Lei de Umbanda – corresponde mais ao 1° e 2° aspectos.

Lições de Umbanda e Quimbanda na palavra de um Preto-Velho – 2°, 3° e 4°.aspectos.

Segredos da Magia de Umbanda e Quimbanda – 3° e 2°aspectos.

Umbanda e o Poder da Mediunidade – 2° aspecto predominantemente, 1° e 3°aspectos.

Umbanda de Todos Nós e Umbanda do Brasil – contemplam os 4 aspectos.

Umbanda: Sua Eterna Doutrina e Doutrina Secreta da Umbanda – predominam e aprofundam-se no 4° aspecto.

Macumbas e Candomblés na Umbanda – predomina o 1° aspecto.

Deixando de lado estas técnicas de classificação, vejamos a essência dos escritos do Pai Matta:

“Devemos deixar patente que as Entidades da Umbanda, além de todo o exposto, dão como “pão de cada dia”, a mesma doutrina, os mesmos princípios morais que norteiam o evangelho de Cristo, bebidos nas primitivas fontes, onde foram os primeiros a dessedentarem-se” – Umbanda de Todos Nós

E ainda, sigamos as palavras de Pai Guiné, se dirigindo ao “Zi-cerô” na página 33 do livro Lições de Umbanda e Quimbanda na palavra de um Preto-Velho: –      “- oh! Filho meu – é inegável, é incontestável a moral crística. Não seria necessário repisarem tanto esses evangelhos, se todos quisessem abrigar lentamente em seus corações o “amai-vos uns aos outros tanto quanto eu vos amei”…

Nisso está contida a suprema-moral e o verdadeiro caminho. Devo assinalar, todavia, e recomendar para que se ensine, lembrando tanto quanto possível, a beleza espiritual e a sublime humildade do sermão da Montanha e sobre o qual todos os umbandistas sinceros precisam meditar. Ei-lo: “Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o reino dos Céus; Bem-aventurados os que choram, porque eles serão consolados; Bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra; Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão fartos; Bem-aventurados os misericordiosos, porque eles alcançarão misericórdia; Bem-aventurados os limpos de coração, porque eles verão a Deus; Bem-aventurados os pacificadores, porque eles serão chamados de filhos de Deus; Bem-aventurados os que sofrem perseguição, por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus; Bem-aventurados sois, vós, quando vos injuriarem e perseguirem e, mentindo, disserem todo mal contra vós, por minha causa” (Mateus, 5, 6, 7).

E ainda: “Não façais a outrem aquilo que não quereis que vos façam…”

“Perdoai 70 vezes 7”.

“Fora da caridade, não há salvação”.

Preto-velho acha “zi-cerô”, que isso é a essência fundamental de tudo. É o bastante. Encerra o todo. Quanto ao mais, são variações. E são esses os preceitos morais-espirituais, que os Guias e Protetores – esses “caboclos e pretos-velhos” vêm ensinando, nas adaptações simples e diretas, criando imagens e exemplos que possam ser impressos vivamente na mentalidade dos que ainda custam a absorver até o sentido simples da letra, quanto mais o sentido oculto ou profundo.”

De todas as obras de  W.W.da Matta e Silva,  com certeza a maior de todas foi a sua vida dedicada ao espírito de servir à Verdade, à Caridade, ao Amor ao próximo.

Um Saravá Fraterno!

Gilberto Galano Filho

Os comentários estão desativados.

  • Onde estamos